Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on print

Guia completo com as 7 melhores práticas de gestão de empresas

guiacompletocomas7melhorespraticasdegestaodeempresas

A gestão de empresas está relacionada aos processos de planejamento estratégico de um negócio, definição de metas, organização de processos, análise de custos, controle do fluxo de caixa, contratações, entre outras ações que estão inseridas na rotina de uma empresa. Cada uma dessas responsabilidades depende de boas práticas de gestão.

São habilidades que não representam um tipo de conhecimento extra, mas algo essencial para a condução de um negócio. Afinal, ainda que seja de pequeno porte, ele só terá futuro no mercado se partir de ações que envolvem organização de processos, controle das finanças e administração de recursos humanos.

Do contrário, o negócio ficará para trás da concorrência e não poderá acompanhar as tendências do seu nicho de atuação. Para não correr esse risco, é importante entender que ser dono não significa ser um gestor: é correndo atrás das melhores práticas de gestão e acompanhando os resultados das suas ações que você atinge um nível mais alto.

Neste material, você vai entender tudo sobre as 7 melhores práticas de gestão de empresas e como se planejar para aplicá-las no seu negócio. Aqui, está reunido tudo o que você precisa saber sobre o assunto, servindo de manual para tirar as suas dúvidas sempre que for preciso. 

1. Conheça estratégias de recompensa e reconhecimento

As pessoas são motivadas por reconhecimento. É assim que se adquire disposição para continuar nas mesmas atividades e melhorar o desempenho. No ambiente corporativo, quando os profissionais não se sentem satisfeitos, não há motivação para o trabalho, o que impacta diretamente na produtividade das equipes e nos resultados de uma empresa.

Reconhecimento não significa necessariamente recompensas financeiras. O dinheiro pode servir como propulsor momentâneo, mas, a longo prazo, se a empresa não trabalha com outras recompensas, os profissionais podem sentir-se insatisfeitos com questões que envolvem condições de trabalho e refletir se realmente vale a pena continuar nas suas funções.

Isso explica o fato de que uma das principais razões para a saída de bons profissionais seja a falta de perspectiva em relação à carreira dentro da empresa. Portanto, se você quer reter os talentos da sua equipe, é preciso saber engajá-los com recompensas que vão além de bonificações financeiras e um bom salário — embora esse também seja um fator crucial.

Seguem três dicas que podem ajudar você nessa tarefa.

1.1 Criar um plano de carreira

Um plano de carreira é um programa estruturado que estipula o caminho que o profissional pode percorrer dentro da empresa, com base no seu perfil, nos seus objetivos e pontos fortes. Além de ser uma forma de atrair e reter talentos, o plano proporciona ao colaborador a possibilidade de se desenvolver mais e alcançar níveis mais altos na hierarquia.

Dessa forma, a gestão mostra que reconhece os seus esforços em prol da empresa, o que serve de motivação para o profissional alcançar as metas do seu setor. O plano deve ser pensado e elaborado junto ao colaborador, além de ser baseado em metas realistas, que estimulem o seu engajamento no dia a dia.

1.2 Fazer ações para o clima organizacional

Outra maneira de recompensar os colaboradores pelo bom desempenho é implementando pequenas ações que melhorem o clima organizacional. Por exemplo, premiar a equipe de um setor que alcançou determinada meta com folgas, colocar uma máquina de café em ambientes compartilhados, fazer uma pequena comemoração para os aniversariantes do mês e instituir o melhor colaborador mensalmente.

1.3 Escrever recomendações

Um feedback positivo por parte das lideranças é uma ótima maneira de deixar o clima de trabalho mais saudável e recompensar o esforço do colaborador. No entanto, além de fazer um simples comentário sobre o bom desempenho, você pode escrever recomendações para um profissional dedicado e proativo.

A recomendação não precisa ser feita apenas quando o profissional for desligado da empresa. Ela também é uma oportunidade de se mostrar um ato de gentileza feito em qualquer momento, confirmando que os líderes se importam com o bem-estar da sua equipe. Ressalte os seus pontos positivos e como a sua postura contribui para um bom ambiente de trabalho.

Hoje, o melhor ambiente para escrever uma recomendação é o LinkedIn. O seu comentário ficará público para todos que chegam ao perfil do profissional recomendado.

2. Crie uma rotina de avaliações e feedbacks

Como você pode medir exatamente o desempenho de um profissional? Existem algumas métricas que são usadas no ambiente de trabalho. Dessa forma, você consegue saber quando criar promoções e reposicionar colaboradores. Veja, a seguir, alguns parâmetros que são úteis em uma rotina de avaliações!

Qualidade do trabalho 

Embora seja uma métrica abrangente, a qualidade do trabalho pode ser avaliada de acordo com a quantidade de obrigações que é rejeitada ou deve ser refeita. O cumprimento de prazos é importante, mas o desempenho individual em cada ação deve ser considerado.

Avaliação 180°

Esse é um dos parâmetros mais tradicionais de avaliação, feito pelo superior direto do profissional, que realiza feedbacks com base em metas determinadas para um período em específico.

Avaliação 360°

Diferentemente da avaliação 180°, a 360° é feita por todos os integrantes da equipe que se relacionam diretamente com o profissional, ou seja, tanto pelo gerente quanto pelos colegas e subordinados, clientes, parceiros de negócio e fornecedores.

Se a empresa conta com uma rotina de avaliações, fica mais fácil entregar feedbacks realmente úteis para o dia a dia dos profissionais. Tornar esse tipo de prática um hábito no ambiente de trabalho é conhecido como “cultura do feedback“.

Quando se cria o costume de dar retorno sobre ações positivas e negativas, as equipes passam a ter mais transparência e cooperação. Para criar a cultura do feedback, é imperativo que o diálogo aconteça frequentemente, entre todos os integrantes da empresa. Portanto, líderes e liderados devem manter uma conversa aberta.

3. Padronize o fluxo de trabalho

A padronização do fluxo de trabalho é definida como a uniformização dos processos realizados por uma equipe ou empresa. Assim, a gestão pode organizar as atividades em etapas para otimizar o tempo de todos os profissionais, reduzindo a possibilidade de redundâncias e retrabalhos. Isso faz melhorar a eficiência operacional.

Se uma empresa não trabalha com processos padronizados, os profissionais correm o risco de fazer o mesmo trabalho de diferentes maneiras, gerando inconsistências e insatisfação dos clientes.

Para padronizar o fluxo de trabalho, é imprescindível entender que todos os processos da empresa precisam ser estruturados e documentados, com alguns pontos muito bem definidos, como ordem das tarefas, responsáveis por cada etapa e prazos de entrega. O documento com todas as informações deve ser acessível para todos os profissionais.

A padronização do fluxo de trabalho precisa sempre começar pelo mapeamento dos processos internos, de modo que seja possível definir o padrão de execução das tarefas e os seus respectivos responsáveis.

4. Elabore um plano de marketing

Um dos motivos que levam a gestão de muitas empresas a ignorarem a importância do marketing é a falta de compreensão da sua real importância para a sobrevivência em meio à concorrência. Ainda há, por exemplo, quem pense que marketing se limita ao termo “propaganda”, quando, na verdade, é apenas um detalhe desse setor.

É por meio do marketing que uma empresa se relaciona com seu público mais abrangente e consegue, em meio a um número imenso de pessoas, atrair aquelas que estão realmente interessadas nos seus serviços. Para isso, é preciso criar valor para uma marca ou um produto e implementar ações que visem a manter os clientes satisfeitos.

Alguns pontos que não podem ficar de fora de qualquer plano de marketing são:

  • entender os desejos e problemas do seu público;
  • criar conteúdo de valor;
  • fazer pesquisa de mercado;
  • trabalhar com um planejamento estratégico;
  • definir metas;
  • analisar resultados.

Se feito corretamente, o plano de marketing ajudará a sua empresa nos processos de atrair, conquistar, vender e fidelizar. O início de um plano começa com um levantamento interno dos pontos fortes da empresa, a definição do público, a pesquisa de mercado, a análise do produto e a definição de índices de desempenho.

5. Cuide da saúde financeira do negócio

Problemas de gestão estão entre as principais razões que levam, principalmente, pequenos negócios a fecharem as portas. Desde o início, as empresas precisam de controle e equilíbrio para se manterem saudáveis, isto é, gerando lucro. Algumas práticas de gestão criam a base necessária para que isso seja possível.

A contabilização de gastos, por exemplo, é fundamental para saber se algo está fora do controle e precisa ser alterado. Se a sua gestão tem o registro de todo dinheiro que saí do fluxo de caixa, fica mais fácil perceber se a empresa gasta muito com conta de telefone, por exemplo, e conseguir buscar alternativas para os principais problemas.

Outra prática importante é sempre trabalhar com metas a serem cumpridas. Elas servem como ponto de chegada na trajetória anual de uma empresa. Por isso, sempre que definir novas metas para a sua gestão, tenha em mente que elas precisam ser específicas, mensuráveis, alcançáveis e ter prazos bem definidos.

Também não deixe de fazer especulações para cenários futuros. Isso faz parte de qualquer empresa que deseja planejar-se com antecedência para aproveitar as tendências do mercado e alcançar os seus objetivos. É interessante que essa análise envolva, principalmente, a diretoria e a coordenação da empresa, além de confrontar as perspectivas da gestão com as previsões da economia do país.

6. Utilize a tecnologia para monitorar a performance da empresa

Também conhecidos como KPls, os índices de desempenho quantificam a performance dos processos realizados em uma empresa. Isso permite que a gestão consiga identificar gargalos e melhorar o desempenho dos profissionais. Quando a empresa acompanha seus números, pode comparar seus resultados anteriores e sabe onde investir com sabedoria.

Diferentemente das métricas, os indicadores são estruturados para gerar insights realmente úteis. Por isso, eles são usados no final de um processo, no momento que os responsáveis fazem uma avaliação para saber se os resultados esperados foram alcançados. As métricas, por outro lado, geram resultados com números brutos, que dificilmente podem gerar insights por si mesmos.

Hoje, existem tecnologias sofisticadas feitas para acompanhar os indicadores de desempenho. São ferramentas capazes de mostrar como processos podem ser otimizados, apontar dados consistentes e identificar profissionais com desempenhos acima da média. Nesse sentido, reunimos alguns softwares bastante usados no mercado.

  • Stratws One;
  • BetterWorks;
  • Apraisd.

Os indicadores mais importantes para as empresas na área comercial são os seguintes.

  • churn rate também chamado de taxa de rotatividade, esse índice mede o número de entradas e saídas de colaboradores dentro de um período específico;
  • ticket médio — a média de valor que um cliente gasta na sua empresa;
  • ciclo de venda — índice que avalia o tempo médio que um cliente leva do momento que interagiu com a empresa pela primeira vez até a realização da primeira compra;
  • taxa de conversão — percentual que avalia, dentre todas as pessoas que compõem a base de contato da empresa, quantas foram convertidas em clientes.

7. Escute mais a sua equipe

Melhorar a comunicação interna entre os integrantes das equipes influencia positivamente o clima no ambiente de trabalho e ajuda no engajamento dos profissionais. Como parte da cultura do feedback, é importante que os líderes deem retorno sobre as ações de seus subordinados, mas também mantenham o canal de sugestões sempre aberto.

Quanto mais os profissionais sentem que estão sendo escutados pelos seus superiores, maior é a chance de eles vestirem a camisa da empresa. Se há uma gestão participativa, na qual as decisões são tomadas com base no máximo de pontos de vista, cria-se, com maior facilidade, um senso de pertencimento e de valorização do trabalho.

Conclusão

Aproveite as práticas de boa gestão de empresas para qualificar a sua atuação e melhorar a performance da sua equipe. Como visto neste material, o que faz um bom gestor é a construção de estratégias que envolvem os colaboradores e muito planejamento para saber o que é bom para a empresa ter um futuro promissor.

Então, entenda como as práticas estão relacionadas aos desafios da sua realidade e podem ser úteis para definir novas metas de gestão. Além delas, é sabido que muito precisa ser feito para conseguir bons resultados a curto e longo prazo. Portanto, este conteúdo deve ser encarado como um ponto de partida para a sua jornada de conhecimento, e não de chegada.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on print

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

POSTS RELACIONADOS

Share:

[rock-convert-cta id="14154"]

POSTS POPULARES