Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on print

Pós-pandemia, educação e novas tecnologias: como lidar?

pospandemiaeducacaoenovastecnologiascomolidar

A relação entre educação e novas tecnologias está sob os holofotes, devido ao contexto pandêmico. Mas, mais do que o ensino EAD, o processo de inclusão de inovações no ensino é amplo e não se iniciou em razão do afastamento social necessário para o combate do Covid-19. Essa tendência já vinha crescendo e permanecerá no futuro pós-pandemia.

Atualmente, não é possível ignorar as tecnologias emergentes na educação. Ela, que vinha esboçando um novo papel para os professores, também é fonte de inclusão social, ampliando o acesso para novos perfis de estudantes.

Diante da quantidade de informações que estão disponíveis, os educadores precisam suprir a necessidade de ensinar aos alunos como lidar com tal volume de dados, qualificar os elementos que os compõem e, acima de tudo, como aprender, ao invés do tradicional enfoca direto ao conteúdo.

A tecnologia digital antes vista como inimiga em sala de aula por desviar a atenção da turma é agora uma aliada. Nesse sentido, o desenvolvimento de inovações voltadas para a área da educação fez toda a diferença. Listei as principais tendências de mudanças tecnológicas, benefícios e dicas para colocá-las em prática. Confira!

Principais mudanças: técnicas e inovações

Quando se trata das mudanças que levaram a uma maior interação entre educação e novas tecnologias, não estamos falando apenas de softwares ou hardwares. Muitas das novidades nesse campo são técnicas de trabalho e diferentes maneiras de utilizar o que já estava disponível.

Microlearning

O microlearning é um exemplo de técnica utilizada associada à tecnologia e em função dela. Basicamente, consiste em fragmentar o conteúdo educativo e apresentá-lo por meio de uma variada gama de canais de transmissão como vídeos, jogos, infográficos etc.

A ideia de empregá-la na educação surgiu para atender a demanda criada pelos efeitos do excesso de exposição dos estudantes às informações em formatos digitais, que diminuíram seu tempo de foco. Desse modo, o microlearning facilita a assimilação do conteúdo e aumenta a atenção dispensada ao que está sendo ensinado.

Comunicação por vídeo

YouTube, Snapchat, TikTok, Instagram, Facebook e os streaming, são provas definitivas do desejo por consumir conteúdo em vídeo. Assim, projetar essa tendência no ambiente escolar deve tornar a educação mais acessível e inclusiva. Opções para a aplicação não faltam:

  • hangouts para debates e seminários;
  • formatação do conteúdo programático em videoaulas pré-gravadas;
  • videoaulas ao vivo;
  • chamadas de vídeo;
  • apresentação de trabalhos nesse formato.

Gamificação

A gamificação não se trata de usar video games nas aulas. Essa técnica utiliza elementos de jogos como rankings, missões, fases ou etapas, personagens, regras, acompanhamento de progresso e até premiações, com a finalidade de tornar o processo educativo mais atrativo e lúdico.

Além de desenvolver o senso de responsabilidade, pois assinala claramente a relação entre o respeito às regras, o esforço, trabalho e progresso com os resultados, positivos ou negativos, no desempenho escolar. Outros benefícios que são alcançados ao utilizá-la:

  • aumento da atenção do estudante nas aulas e da retenção das informações;
  • desenvolvimento do raciocínio lógico e da curiosidade;
  • ampliação da autoestima e do sentimento de autorrealização.

Conteúdo multi-tela e transmídia

O acesso ao conteúdo em diversas mídias dinamiza o processo educacional e dá autonomia para o estudante. Para tanto, é preciso planejar e oferecer as informações conectando-as umas às outras de forma complementar entre os meios.

Essa metodologia deve ser desenvolvida em múltiplos formatos tanto digitais como vídeos, infográficos, e-books, quanto os analógicos, para atrair e reter a atenção do aluno.

Realidade aumentada (RA)

A realidade aumentada possibilita que recursos adicionais sejam explorados dentro do material didático. Como não temos limites criativos para seu uso, principalmente em um ambiente tão propício quanto o escolar em que há possibilidades de implementação e integração entre educação e novas tecnologias.

Alguns exemplos da aplicabilidade da RA para o ensino são QR codes, que podem ser inseridos em livros e dar acesso a vídeos, e a reprodução em 3D de períodos históricos ou do espaço sideral. Tudo isso ajuda a captar a atenção e promover o engajamento dos estudantes com as aulas.

Implementação: mapeamento e formação continuada

O sucesso da interação entre educação e novas tecnologias depende inteiramente de dois pontos. O primeiro é a formação continuada dos profissionais da área, que deve abranger tais inovações. Pois, para utilizar esses novos meios, os professores precisam conhecer e dominar suas técnicas e ferramentas.

O segundo aspecto, é o mapeamento de quais novas tecnologias se encaixam na realidade da instituição de ensino. Isso está diretamente relacionado com a familiaridade que o corpo docente tem com as inovações e a flexibilidade deles diante dos novos conceitos e papéis que elas tem na educação, bem como o perfil dos discentes e sua abertura para esse novo modelo de aprendizado.

Mestrado em Tecnologias Emergentes em Educação da MUST University: interação entre educação e novas tecnologias

Da elaboração dos planos tecnológicos até a capacidade de gerenciar equipamentos e programas, passando por meios e ferramentas de interação entre os universos tecnológico e educacional, a MUST University tem um curso para atender a essa nova realidade.

Por meio de seu programa de Mestrado em Tecnologias Emergentes da Educação, a universidade proporciona aos alunos matriculados conhecimento tecnológico e treinamento de habilidades técnicas, atrelados ao desenvolvimento das competências comportamentais, habilitando-os para planejar e realizar mudanças práticas no mindset e no cotidiano de trabalho.

A transição para essa nova forma de ensinar está acontecendo e foi acelerada pela pandemia do coronavírus, uma vez que fez necessária a adaptação de todos. Promovendo uma revolução tecnológica em diversos meios.

Esse processo exige a adaptação de professores e alunos às novas ferramentas e métodos que implicam diretamente em uma mudança na metodologia de ensino. O papel do educador mudou, o objetivo, bem como a forma de trabalhar também. Para isso, seu mindset e suas habilidades técnicas precisam se adaptar.

Os benefícios dessa aliança entre educação e novas tecnologias são inegáveis. Porém, devem ser acompanhados do mapeamento que se encaixa na realidade da instituição e da formação do corpo docente em acompanhamento a essa evolução técnica e metodológica.

Pensando nesse futuro, que já chegou, a MUST University preparou um mestrado voltado aos profissionais da área que queiram estar na vanguarda. Quer saber mais sobre o curso? Então, leia este artigo sobre o Mestrado em Tecnologias Emergentes da Educação e dê o próximo passo na sua carreira acadêmica.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on print

3 thoughts on “Pós-pandemia, educação e novas tecnologias: como lidar?

  1. Bacana, Maravilha seu post, Tem um aplicativo chamado: Software PCG, esse Software é um agregador de sites de anuncios, no Software tem mais de 340 sites de classificados onde você pode anunciar grátis, usando esse programa você pode fazer propaganda do seu conteudo automaticamente nesses 340 sites. Vale muito a pena usar, ele traz muitas visitas. Sempre uso esse programa para fazer divulgação. Fica ai a dica. Seu conteudo foi muito útil. Sucesso pra vocês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

POSTS RELACIONADOS

Share:

POSTS POPULARES